Loading...

segunda-feira, 15 de junho de 2015

Partidas da vida

Todos os dias nos confrontamos com vídeos e imagens de pessoas que sofrem, crianças, sem abrigo, pobres, idosos...
Todos os dias nos pasmamos com tal informação e nos questionamos "como é possível..."
Todos os dias partilhamos nas redes sociais vivências tristes que nos levam, por vezes, às lágrimas. Partilhamos com o intuito de ser visto por o máximo de pessoas possível para que elas também possam partilhar.
Tornou-se numa corrente positiva de passagem de mensagem, quase de testemunho. 
É uma conversa muda que mantemos com os outros utilizadores e amigos dessas redes.
Não deixa de ser impressionante o número que muitas dessas partilhas alcançam.
Eu próprio o faço, todos os dias, com a ideia de mostrar aos outros o que me chocou, o quão violentas são algumas imagens, o sofrimento vivido por muitos...
Sem pensar nisso achamos que ao publicar de certa forma estaremos a ajudar aqueles que sofrem, aqueles que são postos de lado, que são esquecidos.
A quente até poderá ser verdade. Ao passarmos a mensagem é criado a tal corrente, de solidariedade moral, com os outros utilizadores. Mas chegará? Será suficiente?
A frio diria que não pois se fosse realmente proveitoso não existiriam tantas mensagens dessas todos os dias. 
Algumas vezes já se partilha sem se ler pois o sofrimento dos outros também nos toca, ou deveria, de uma forma dura, intrínseca.
O que se poderá fazer mais, pergunto, para poder ajudar quem sofre?. Utopia, dirão. Nada se poderá fazer. Nada que se faça diminuirá a dor dos que sofrem. Bastará publicar as suas vidas? Certamente que não mas talvez seja a forma do mundo social se apartar destas situações.
Pensarão, então se se publica é porque as pessoas se interessam. Talvez, mas apenas talvez. Outra leitura que se poderá fazer é que apenas publicamos para minimizar a dor que se sente ao constatar os males do mundo e as partidas que a vida a muitos prega.
Algo que mude....

in https://www.google.pt/search?q=pobres&espv=2&biw=1920&bih=971&tbm=isch&imgil=dCVj-PXsymcpVM%253A%253B0OH_wCzYp3qlgM%253Bhttp%25253A%25252F%25252Fwww.teleios.com.br%25252Funicef-paises-ricos-tem-30-milhoes-de-criancas-pobres%25252F&source=iu&pf=m&fir=dCVj-PXsymcpVM%253A%252C0OH_wCzYp3qlgM%252C_&usg=__Ndtk9w85thSwb8QmVlFQLJm8mJg%3D&ved=0CCgQyjdqFQoTCJTiiajskcYCFQYDcwodpTYOuw&ei=odh-VdSND4aGzAOl7bjYCw#imgrc=dCVj-PXsymcpVM%253A%3B0OH_wCzYp3qlgM%3Bhttp%253A%252F%252Fwww.teleios.com.br%252Fwp-content%252Fuploads%252F2012%252F05%252FCrian%2525C3%2525A7as-pobres.jpg%3Bhttp%253A%252F%252Fwww.teleios.com.br%252Funicef-paises-ricos-tem-30-milhoes-de-criancas-pobres%252F%3B320%3B267

quinta-feira, 26 de junho de 2014

O sonho que virou pesadelo

Lá acabou a prestação de Portugal no Mundial 2014.
Nunca critiquei as escolhas de Paulo Bento pois entendo que quem está perto tem (deveria) uma melhor percepção de como os atletas se apresentam.
Tudo começou com um sonho, como sempre éramos campeões antes de começar, mas tudo terminou com tristeza e sem muita margem para pensamentos pós mundial.
O que se terá passado para tantas lesões, qual o critério para a escolha dos jogadores, das táticas, etc, fica agora a cargo das dezenas de comentadores que por aí andam. Agora podem falar e questionar tudo e mais alguma coisa.
Para o simples adepto fica a tristeza de vermos Portugal abandonar o Mundial cedo demais e termos que voltar a ver a triste realidade que nos rodeia dos cortes cegos, dos desequilíbrios sociais, dos receios do amanhã com ou sem trabalho. Alguns pensarão, que daqui a dois anos haverá o Europeu e será desta que Portugal traz uma alegria para casa e que CR7 mostra tudo o que vale. Eu acredito que sim, pois acreditar é o que nos resta. Mesmo assim força Portugal.

segunda-feira, 2 de junho de 2014

E assim vai o Mundo...: Tudo por nada

E assim vai o Mundo...: Tudo por nada: É impressionante o que por vezes certos filmes nos ensinam. Não estou a falar de filme que à partida são histórias de vida e que por isso qu...

Tudo por nada

É impressionante o que por vezes certos filmes nos ensinam. Não estou a falar de filme que à partida são histórias de vida e que por isso querem demarcar um percurso e demonstrar um caminho  que se seguiu, bem ou mal, e que se deve, ou não, seguir.
Neste caso concreto falo de um bom filme realizado e produzido por Clint Eastwood, de seu nome "Crime Real".
Uma boa trama de alguém que é acusado injustamente pela morte de uma jovem apenas por estar no sítio errado à hora errada. Uma vida que vai ser ceifada pela Justiça devido à  falta de provas e por depoimentos turvados pelo racismo.
O que venho aqui escrever não è sobre o filme, bom por sinal. Mas sim sobre a trama, não a principal do jovem infeliz que se vê privado da liberdade, mas antes das (sub) tramas, se assim posso chamar que estavam inclusas no dito filme. É certo que quando assistimos a um filme e levados pelo guião a nossa atenção foca-se na trama principal e deixamos passar pormenores importantes. Ora vejamos. Neste filme, um homem com uma vida desgraçada, mulherengo, alcoólico, mas com faro para uma boa notícia vê-se com uma história que ele à partida desconfia, a do tal jovem que è condenado à morte.
Durante todo o filme  assistimos a um homem a lutar desesperadamente por aquilo em que acredita. Não desistindo mesmo quando tudo e todos estão contra ele, deixando, inclusive, a família para segundo plano. Vemos um homem de coragem com determinação, ou alguém teimoso que apenas porque sim quer ir contra a parede.
É aqui que, para mim, interessa este post. O que na realidade assistimos, se estivermos atentos, é um homem a lutar por um ideal, por uma ideia concebida na sua cabeça e que por nada ele quer abandonar.
Podemos dizer que é loucura. Sim a sua insistência quase lhe tirou tudo, trabalho, família, a vida, mas no ultimo segundo da sua insistência o rapaz condenado à morte é salvo de um fim  que não lhe era destinado. E tudo graças à insistência, à luta de um homem, só, com uma ideia fixa e um bom faro para a notícia.
Toda esta conversa para dizer que a vida deve ser feita disto mesmo. Não devemos desistir dos nossos ideais, das nossas ideias interiores o mais estranhas que sejam. Devemos lutar, conscientes dos perigos que nos rondam, mas devemos seguir em frente. Se ele não tivesse acreditado em si e lutado por tudo aquilo em que acreditava o rapaz tinha sido, injustamente, morto por injeção letal.
Claro que dirão que tudo não passa de um filme, mas acreditem na vida real também é assim, e penso que é assim que faz sentido. Devemos lutar até ao ultimo segundo, pois por um segundo se ganha mas não esquecendo que, também, por um segundo se perde.

Boa noite.

Miguel Marques

domingo, 20 de abril de 2014

SLB Campeao

O Benfica consagrou-se Campeão Nacional a três jornadas do fim da época. Parabens a todos os Benfiquistas por mais este título, o 33.º se a memória não me falha.
Os automóveis já se ouvem nas ruas num frenesim como se não houvesse amanhã. Buzinas, gritos, vuvuzelas, etc, fazem ecoar a alegria que paira nos corações encarnados.
Eu sou Sportinguista, preferia que fossem os corações verdes a festejar mas há-de de ser um dia.
O que me deixa feliz é esta magia, que o futebol em particular e o desporto em geral nos traz, que paira no ar. Por momentos todos nos esquecemos da crise, dos cortes, das sobretaxas, do IRS, do IVA, do Governo, da Troika , enfim esquecemos-nos das coisas más da vida.
Na realidade esquecemo-nos da vida para viver esta grande emoção que é neste caso o futebol.
Milhões de pessoas neste momento esqueceram as dificuldades que sentiam à cerca de 90 minutos atrás e festejam, com alegria,  a vitória do seu clube do coração.
Fico feliz, pena é que não haja todos os dias um campeão, que não haja todos os dias um motivo de festejo que leve de vez embora esta áurea negra que em nada nos ajuda para um futuro mais risonho, um futuro com um melhor ataque, uma melhor defesa e que nos torne campeões da nossa própria vida.
Parabéns SLB

Santa Páscoa

"Páscoa ou Domingo da Ressurreição é um festival e um feriado que celebra a ressurreição de Jesus ocorrida três dias depois da sua crucificação no Calvário, conforme o relato do Novo Testamento . É a principal celebração do ano litúrgico cristão e também a mais antiga e importante festa cristã. A data da Páscoa determina todas as demais datas das festas móveis cristãs, com excepção às relacionadas ao Advento. O domingo de Páscoa marca o ápice da Paixão de Cristo e é precedido pela Quaresma, uma período de quarenta dias de jejuns, orações e penitências."

Esta é a definição ou explicação, como melhor entenderem, da Páscoa que todos podem encontrar no WIKIPÉDIA. Como se pode verificar, lendo o artigo vertido na página, muitas são as diferenças entre povos, culturas, crenças religiosas, em relação a este Advento.

Não, não venho aqui hoje para explicar o que significa a Páscoa, até porque não tenho conhecimentos para tal. Venho para desejar aos crentes, não crentes e aos que se encontrem entre uns e outros uma SANTA PÁSCOA. Recebam e troquem muitos Ovos da Páscoa, e sejam felizes, simplesmente sejam felizes junto de quem mais amam.


sexta-feira, 18 de abril de 2014

A distração é inimiga da felicidade

Todos os dias acontecem coisas maravilhosas bem à nossa volta. Mas andamos tão  distraídos com outras menos importantes que nem damos conta delas. 
Ao andar pelas ruas, apenas andamos, seguimos em frente. Em frente  num caminho que nos conduz a algo. Algo que nos trará qualquer coisa.
Tantas palavras e nada foi dito, palavras vazias sem sentido tal como sem sentido é o caminho que percorremos sem olhar à nossa volta. 
Utilizando uma expressão rodoviária, mas pertinente para o quero explanar, devemos parar, escutar e olhar mais para o que nos rodeia, para o que passa por nós também a correr.
A correr vivemos a vida. Ou será que sobrevivemos à vida? A escolha será nossa?
Creio que sim. Creio que temos um destino onde queremos chegar e vários caminhos para o alcançar, a escolha dos caminhos é a nossa escolha. Escolha essa que, por vezes, pode ir contra tudo e contra todos mas é a nossa escolha, pois também é a nossa vida.
Nesta época que passamos, marcada de um sentimento forte para uns e sem nenhum interesse para outros, desafio a que paremos mais, que escutemos mais e que olhemos mais para o mundo ao nosso redor para que a vida não passe por nós, para que acima de tudo sejamos nós a passar pela vida o melhor que sabemos e podemos conscientes dos atos que tomamos.
Uma Santa Páscoa.